Galerias históricas .




. Fiquemos a conhecer cinco das galerias históricas de Lisboa que privilegiam a arte contemporânea.


GALERIA 111


Fundada em 1964 por Manuel de Brito, começou a sua atividade como uma livraria onde se faziam encontros regulares com artistas emergentes. Várias gerações de artistas expuseram nesta galeria, que nunca se manteve confinada a uma só geração de nomes históricos conceituados. Desde o seu início até aos dias presentes, continua a ter a preocupação de promover a apresentação de exposições de um vasto conjunto dos artistas nacionais – e alguns internacionais – mais representativos.


GALERIA DE SÃO MAMEDE


A Galeria de São Mamede surgiu em 1968 a partir de um antiquário, pe la mão de Francisco Pereira Coutinho. O espaço chegou ainda a exibir algumas antiguidades, mas rapidamente, e a conselho de Cruzeiro Seixas, começou a expor artistas surrealistas. A galeria, que se dedicou exclusivamente ao modernismo e ao movimento contemporâneo portugueses, com exibições pontuais de artistas estrangeiros, tem tido uma atividade artística regular, intensa e de qualidade, apoiada em artistas clássicos que sempre lhes estiveram ligados, como Areal, Cesariny, o próprio Cruzeiro Seixas ou Nadir Afonso, mas também em artistas novos.


GALERIA QUADRUM

Terça a sexta-feira, das 11h às 13h e das 14h às 17h, sábado e domingo, das 10h às 12h

No início da década de 70 (1973), surgiu uma galeria que se revelou como um dos espaços mais importantes para a internacionalização dos artistas portugueses: a Galeria Quadrum. A Quadrum foi, aliás, a primeira galeria a internacionalizar-se com a sua participação na feira Art Fiera, em Bolonha, Itália, em 1977. Considerada como um “laboratório de arte experimental portuguesa” pela sua fundadora, a artista e colecionadora Dulce D’Agro (1915-2011), a galeria, que agora pertence à Câmara Municipal de Lisboa, incitou, logo em 1974, o lançamento de novos estilos artísticos em Portugal, trazendo do estrangeiro artistas de movimentos como a Op Art, a arte cinética, a Body art e a video art.


GALERIA DIFERENÇA

Terça a sexta-feira, das 14h às 19h, sábado, das 15h às 20h

A Galeria Diferença foi um dos poucos~espaços que surgiram na segunda metade da década de 70, durante uma fase de profunda recessão económica. Não obstante, conseguiu manter as suas portas abertas até aos dias de hoje, marcando uma presença bastante importante no panorama galerístico lisboeta. A Cooperativa Diferença Comunicação Visual foi fundada em 1979 por António Palolo, Ernesto de Sousa, Fernanda Pissarro, Helena Almeida, Irene Buarque, José de Carvalho, José Conduto, Maria Rolão, Marília Viegas e Monteiro Gil. Criada como um espaço de artistas para artistas, esteve ligada ao lançamento de muitas carreiras e tendências marginais e polémicas da arte portuguesa. Ao longo das várias décadas a galeria apresentou mostras de diferentes géneros artísticos, da gravura ao vídeo, passando pela performance, escultura e instalação.


17 visualizações0 comentário